Domingo, 30 de Novembro de 2008

Sim! Escrevo II (2008)

Sem escrever não vivo na plenitude

as palavras são folhas de um trevo

as quais formam os versos que escrevo

eu sou o objecto, elas são a atitude

 

Escrevo o melhor que posso e sei

eu sou o boneco, palavras são Giuppetto

escrevo poemas como este soneto

descoberta nova e adicto fiquei

 

São versos o que respiro

são quadras o que sinto

prazer que tenho na vida

 

Noutra era escrevi em papiro

digo só verdades, não minto

porque a escrita me é querida

 

sinto-me: inspirado
publicado por manu às 17:39
link do post | comentar | favorito
|
16 comentários:
De poetaporkedeusker a 1 de Dezembro de 2008 às 16:23
Pois é Manu. Cá vamos escrevendo debaixo do mesmíssimo impulso que ao longo das Eras tem movido os homens... alguns homens, pelo menos. E vamo-nos identificando com essas linhas... a nossa mensagem, o nosso rasto nesta vida.
Abraço grande e muita inspiração.
De manu a 1 de Dezembro de 2008 às 16:40
Poetisa! Estou longe de conseguir o que a amiga faz a nível de sonetos mas esta onda de inspiração já me fez escrever hoje uns poucos que irei "postar" com este nome. A saga dos "Sim! Escrevo" já tem mais 4 irmãos prontos a serem entregues ao mundo. Por este andar vou ter de criar outro blog só para os sonetos. Ehehehe . Um abraço.
De poetaporkedeusker a 1 de Dezembro de 2008 às 16:49
Eu aprovo! Mas aviso que dá um trabalhão danado! Agora vou tomar o meu duche porque com os animais todos, ainda nem tive tempo para isso! Depois volto cá para ver essa produção toda!
Abraço!
De manu a 1 de Dezembro de 2008 às 17:39
Não sei se isso também lhe acontece
começar a escrever e não conseguir parar
escrevo desde manhã, já anoitece
não sei no que tudo isto vai dar

Os sonetos aumentaram entretanto
já são mais de dez, isto não tem fim
consigo ver essa cara de espanto
mas peço-lhe que acredite em mim

Fiz há pouco uma pausa na blogosfera
também fui a banhos, já tresandava
aproveitei para descansar um pouco

Tive de fazer um compasso de espera
poder descansar já eu precisava
tenho escrito que nem um louco
De poetaporkedeusker a 1 de Dezembro de 2008 às 22:31
Olá se acontece! Volta e meia tenho um desses "ataques de poetice"! E o pior é que, de vez em quando, também me dão "ataques de pintura" e então é que é uma catástrofe porque a parafrenália de instrumentos é muita e eu esqueço-me mesmo de comer e dormir. Já cheguei a ir para o jardinzinho em frente da minha casa com a bata, o cavalete, a tela e tudo o mais, para aproveitar as condições climatéricas de alguns dias. São pulsões muito fortes e, de uma maneira geral, dão belíssimos trabalhos. Depois ficamos felizes e exaustos.
Abraço.
De manu a 1 de Dezembro de 2008 às 22:49
Quem me dera fazer disto vida
era sinal que a cultura rendia
viveria uma existência sadia
juntava ao prazer a contrapartida

mas as coisas não são assim
temos de ter outra profissão
e na vida não há outra solução
porque sem comer é o nosso fim

às vezes sonho bem alto
vejo realidades fora de alcance
mundos que não são meus

penso que posso dar o salto
mas só vejo essa vida de relance
e sigo a vontade de Deus
De poetaporkedeusker a 1 de Dezembro de 2008 às 23:00
Mas é assim mesmo, Manu. Vivemos numa sociedade que nos não permite sobreviver da escrita e da pintura. Para mim, que tenho mais 20 anos do que o Manu e uma doença crónica, esta é a hora da verdade. Fui trabalhando no que pude, enquanto pude e sempre a adoecer com alguma gravidade. Num mercado competitivo e a afundar-se no oceano da crise, só um louco me daria trabalho... 56 anos, dificuldades motoras ao nível dos membros (mãos e pernas), etc, etc. Acabava por ter sempre muito mais faltas do que presenças. Agora é a minha altura de produzir e dar o meu melhor enquanto ser humano, por muito difícil que isso seja de entender para a esmagadora maioria das pessoas.
Abraço.
De manu a 1 de Dezembro de 2008 às 23:15
Como não se vive da cultura
ficamos eternos amadores
carregamos o fardo das dores
provocadas pela vida dura

mas melhores dias virão
outro valor nos vão dar
só temos de acreditar
mas com os pés no chão

amiga poetisa sou solidário
e compartilho esse lamento
como bem a compreendo

faz-se arte sem salário
só de trabalho há aumento
e assim vamos vivendo

Abraço.
De poetaporkedeusker a 2 de Dezembro de 2008 às 00:03
Mas sempre podemos acreditar que um dia as coisas mudarão, não é Manu? E sabe tão bem acreditar...
De manu a 2 de Dezembro de 2008 às 00:26
Eu acredito ser possível
a mudançavai chegar
que tudo irá melhorar
a cultura será visível

façamos a nossa parte
não cessemos de lutar
continuemos a acreditar
no valor da nossa arte

mesmo que não beneficiemos
teremos feito a diferença
hão-de nos agradecer

um futuro então teremos
mantenhamos esta crença
continuemos a escrever
De poetaporkedeusker a 2 de Dezembro de 2008 às 01:34
É bem verdade que a escrita
Nos ultrapassa, por vezes...
Tenho-a sempre por bendita
Por mais que surjam revezes!

Escrever também é lutar
Quando o que escrevemos tem
Neste mundo o seu lugar
E pr`a todos só faz bem!

Continuemos, portanto,
Esta nossa caminhada...
Solitários, por enquanto,
Depois, obra consagrada!

É fazendo que criamos
E criando é que fazemos
Este mundo a que nos damos
De cada vez que escrevemos!


Abraço!
De manu a 2 de Dezembro de 2008 às 20:38
Que bom é ter a companhia
de alguém que sabe conversar
e se disponibiliza para escutar
obrigado pela sua simpatia

foi um serão agradável
cheio de poesia amadora
mas bastante reveladora
do quanto é sociável

obrigado mais uma vez
pela companhia que me fez
agradecer nunca é demais

digo agora para acabar
foi muito bom, para si rimar
existirão outros serões iguais
De poetaporkedeusker a 2 de Dezembro de 2008 às 23:27
Ora aí está, meu amigo! Sentimo-nos sempre contentes quando encontramos alguém que passa por situações idênticas às que pautam a nossa vida! E essa das dores nas mãos... nem me fale nisso!
Abraço!
De manu a 3 de Dezembro de 2008 às 18:02
De nós próprios demos pistas
pusemos nossas almas a nu
não passamos de dois artistas
poetaporkedeusker e manu

Abraço.
De poetaporkedeusker a 3 de Dezembro de 2008 às 22:01
E se isto continuar
De forma tão imparável
Teremos ganho, e a par,
Um lugar incontestável!

Somos poetas obreiros
De tudo o que há pr`a dizer!
No verso sempre os primeiros,
Dois operários do escrever!

Abraço!

De manu a 3 de Dezembro de 2008 às 22:41
Viva quem a escrita inventou
e nos deu esta capacidade
acho que em nós pensou
teve muita criatividade

Abraço.

Comentar post

.mais sobre mim

.contador

Counter Stats
gold coast link
gold coast link Couter

.Outubro 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Licença poética - convite

. Vida (inédito)

. Incansável

. Parei o tempo

. Ad aeternum

. Convite a todos os que qu...

. Diz-me (2010)

. És aquela que mais amo - ...

. 2 ANOS

. Sê apenas criança (2010)

.arquivos

. Outubro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

.pesquisar

 

.links

.mais comentados

38 comentários
36 comentários
32 comentários
28 comentários
24 comentários
22 comentários
22 comentários
21 comentários

.geocounter