Segunda-feira, 18 de Maio de 2009

Recordar é sofrer (2009)

As memórias teimam em surgir

mas apenas conseguem magoar

más lembranças só sabem ferir

cicatrizes que tardam em sarar

 

Eu bem sei que recordar é viver

e nunca vou negar esse conceito

mas também sei o que faz sofrer

e sentir amarga tristeza no peito

 

Ó vis memórias, cruéis, nefastas

que pululam nesta minha mente

deixai-me viver sem sofrimento

 

E tu ó lembrança vê se te afastas

por ti já sinto insanidade latente

porque glorificas meu tormento

 

tags:
publicado por manu às 21:10
link do post | comentar | favorito
|
4 comentários:
De Utopia das Palavras a 18 de Maio de 2009 às 23:38
Sei que há águas que não podes lembrar
Mas quem comanda o pensamento?
Estavas tão bem, porque foste recordar
Correntes que secaram com o vento!

Manu...quero um poema a sorrir!

Beijo MAIOR
De manu a 19 de Maio de 2009 às 17:46
Olá Ausenda!

Não tenho outro remédio senão recordar
e viver com o que me passa pela cabeça
não conheço o que se faz para o evitar
e duvido sériamente que alguém conheça

Aos pedidos dos amigos eu sempre acedo.
Beijo grande
De Mírtilo MR a 19 de Maio de 2009 às 00:21
Vejo que o soneto como forma poética o atrai sobremaneira. E os seus sonetos são, pelo pouco que ainda li, interiorizados, são estados de alma relacionados com amores e desamores, ou com frustrações amorosas, ou com recordações algo angustiantes ... Hei-de vir lê-lo mais vezes, pois, por agora, li muito pouco ainda.
Identifico-me em boa medida com os seus sonetos, porque também pratico muito tal forma poética, de que muito gosto, por achá-la a forma , digamos, clássica mais curta ou «ginasticada» e muito atraente de exprimir poesia, predominando no meu caso, como no seu, o soneto repassado de sentimentos tristes meus, embora use também o tipo de soneto descritivo e objectivo, muitas vezes também com a tristeza «à flor do verso».
Também a respeito deste soneto, como do «Helena», o meu grande aplauso pelo valor dele.
Um abraço.

Mírtilo
De manu a 19 de Maio de 2009 às 17:37
Amigo Mírtilo! Como fiz referência na resposta ao comentário que deixou no poema HELENA, a minha poesia é muito heterogénia. Em relação aos temas, posso dizer-lhe que essa heterogeneidade também existe e, sendo certo que falo muito da condição humana de um modo mais geral, também escrevo com regularidade sobre a minha própria condição, tanto como homem, "poeta" e observador do meu meio. Não raras vezes, os meus poemas são retratos fieis de episódios do meu dia-a-dia. Quanto à qualidade dos sonetos apenas lhe digo que é precisamente por eles que me catalogo de aprendiz de poeta. Como bem sabe, o soneto, nomeadamente o clássico, é uma poesia que exige mais atenção ao nível da métrica e nesse aspecto os meus podem ser considerados sonetos imperfeitos. Sou mais pela estética visual e de conteúdo do que pela mestria sonetista. Abraço.

Comentar post

.mais sobre mim

.contador

Counter Stats
gold coast link
gold coast link Couter

.Outubro 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Licença poética - convite

. Vida (inédito)

. Incansável

. Parei o tempo

. Ad aeternum

. Convite a todos os que qu...

. Diz-me (2010)

. És aquela que mais amo - ...

. 2 ANOS

. Sê apenas criança (2010)

.arquivos

. Outubro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

.pesquisar

 

.links

.mais comentados

38 comentários
36 comentários
32 comentários
28 comentários
24 comentários
22 comentários
22 comentários
21 comentários

.geocounter